HashFlare

SEOUL (Reuters) – Uma corretora de criptografia sul-coreana disse na
terça-feira que está encerrando e está declarando falência depois que
foi hackeada pela segunda vez neste ano, destacando as preocupações com a
segurança como o comércio de bitcoin e outras mídias virtuais.

A corretora, chamada Youbit, foi hackeada uma vez antes em abril, quando quase 4.000 bitcoins foram roubados em um ataque cibernético que a agência de espionagem do país ligou-se à Coréia do Norte, de acordo com um relatório do jornal sul-coreano no sábado.

A Youbit anunciou em seu site que foi hackeada às 4:35 da manhã, hora local na terça-feira, causando uma perda no valor de 17% do total de seus ativos.

Não elaborou o valor, mas disse que os ativos de criptografia de todos os clientes serão marcados até 75% de seu valor, acrescentando que interrompeu a negociação e funcionará para minimizar as perdas de clientes.

O Youbit é um jogador menor no mercado de criptografia da Coréia do Sul, com a corretoria de criptografia mais movimentada do mundo, Bithumb, representando cerca de 70% da participação de mercado do país.

Um funcionário da Korea Internet & Security Agency (KISA), a agência estatal que responde aos ataques cibernéticos, disse que a polícia e as autoridades da KISA estavam iniciando uma investigação sobre o hacking.

As corretoras de Bitcoin e as carteiras têm uma história de segmentação e os especialistas em segurança dizem que se tornam mais vulneráveis ​​ao crime cibernético à medida que as avaliações aumentam.

A Bitcoin chegou perto do recorde de US $ 18,759.67 na corretora de Bitstamp com sede no Luxemburgo a partir de 0703 GMT.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here